..Header { text-align: center; ; tags ..Header { text-align: center; ; tags ..Header { text-align: center; ; tags ..Header { text-align: center; ; tags ..Header { text-align: center; ; tags ..Header { text-align: center; ; tags ..Header { text-align: center; ; tags ..Header { text-align: center; ; tags ..Header { text-align: center; ; tags ..Header { text-align: center; ; tags ..Header { text-align: center; ; tags ..Header { text-align: center; ; tags ..Header { text-align: center; ; tags ..Header { text-align: center; ; tags ..Header { text-align: center; ; tags ..Header { text-align: center; ; tags ..Header { text-align: center; ; tags ..Header { text-align: center; ; tags ..Header { text-align: center; ; tags . -->

terça-feira, 16 de outubro de 2012

16 de outubro -Dia Mundial da Alimentação


16 de outubro foi o Dia Mundial da Alimentação, momento ideal para pensarmos um pouco mais sobre a necessidade de ter uma alimentação saudável.
Mais do que o dia da alimentação, devemos fazer dele o dia da consciência sobre graves problemas sociais. De fato, os dados são alarmantes. Atualmente, cerca de 500 milhões de pessoas sofrem com a obesidade em todo o mundo.
Ou seja, uma em cada dez pessoas no planeta está acima do peso. Não é à toa que a obesidade é um dos dez problemas de saúde pública do mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).
Esse, porém, não é o único motivo de preocupação. É cada vez maior o número de países que enfrentam um “duplo problema”: com a obesidade e as suas enfermidades, está a desnutrição. Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), 854 milhões de pessoas em todo o mundo passam fome, ao mesmo tempo em que 1,6 milhões sofrem com o sobrepeso e outros 400 milhões de pessoas são obesas.
No Brasil, 4% da população apresenta déficit de peso, enquanto 40% dos adultos estão com excesso de peso e, nesse grupo, 11,1% enfrentam a obesidade, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O pior é que as crianças não estão livres das estatísticas.
Além disso, em nosso país, cerca de 2% da população apresenta algum tipo de transtorno alimentar, ou seja, apresenta graves alterações no comportamento alimentar, o que pode causar o emagrecimento excessivo, a própria obesidade, problemas físicos ou mesmo incapacidades.

Fonte: portal são francisco

Nenhum comentário:

Postar um comentário